Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Loja Maçônica Washington Luis I 2694

Home » Notícias

Interpretação do encerramento ritualístico - R.E.A.A. - GOB / GOSP

Interpretação do encerramento ritualístico – R.E.A.A. – GOB / GOSP

Ritual de Aprendiz – página 79

Ritual de Companheiro – página 59

Ritual de Mestre – página 83

 

A interpretação tem que ser de forma coerente pois ela pode nos levar a cometer erros, por exemplo, os que brigam por causa de religião, levam tato a sério que não conseguem entender o real significado. A famosa passagem da bíblia, onde Jesus disse que “amássemos unos aos outros”, alguém não coloca acento agudo na segunda letra “a” então fica “amassemos”.

 

Este trabalho não teve fonte de pesquisa porque não achei nenhuma fonte para este fim, busquei aplicar nele os conhecimentos e o aprendizado de poucos estudos maçônicos que tenho. Nada é escrito sem ter uma finalidade, por mais simples que seja um texto. É então aí que está o segredo, a interpretação.

 

- primeiro parágrafo: agradecendo a vida

Fonte fecunda: local de matar a sede, aqui é da tríade Luz, Felicidade e Virtude onde os obreiros (trabalhadores) após o cansaço do trabalho buscam matar a sede. E qual é o local e onde é esta fonte da fonte? É o augusto templo onde nos reunimos. (ou seja, a neste edificio consagrado ao G.A.D.U. que merece respeito). “Cedendo os movimentos de seus corações” aqui é a metáfora do som do coração e das batidas da vida, do trabalho na pedra bruta em torná-la polida, para dizer que,  o que impulsiona o obreiro vem de dentro, e por fim “Render mil graças”, mil é uma hipérbole da figura de linguagem e aqui é como número infinito de vezes que temos que agradecer e retribuir pelo trabalho e para cada dia de vida, e que tudo depende do G.A.D.U.  Observa-se que nesta primeira parte, é o diálogo entre o Venerável da Loja com o G.A.D.U. representando os irmãos.

 

- segundo parágrafo:  pedir união e continuidade

Por isso [Ele] que ao mesmo dá em quantidade a luz, a felicidade, a virtude,  que são os beneficios recebidos, [Ele] também dissipa, e nos dilapida e corrige nossos erros, nossas maldades, ou seja, menos erros, menos maldade, menos falta, sobra espaço para aumento de nossa  força, aqui é a energia positiva que nos impulsiona, neste caso em especial ao ocidente onde ficam mestres, companheiros e aprendizes , eles que tem que serem os mais dedicados e úteis a loja, pois é o local que move o templo,  o ocidente é o local onde está mais carregado de energia, é onde os trabalhos são realizados, onde fica a pedra bruta e a polida, ninguém sobre ao oriente sem passar por estas duas pedras. Por isto no oriente os aprendizes e companheiros não sobem. O local do templo que enriquece com os trabalhos

 

- terceira parte: pedir proteção e que ele interceda em nós

Aqui se mencionam luzes que são dirigidas ao Venerável Mestre, Primeiro e Segundo Vigilantes, (para que desçam sobre eles, pois são estes três que além de dirigir, também canalizam toda a energia da loja que é distribuída aos irmãos através dos sons dos malhetes.) Novamente a tríade paz, harmonia e concórdia sendo a base da argamassa (que tem seus quatro componentes principais, cimento, cal, areia e água) , outra riquíssima metáfora, tudo na homogeneidade, ou seja, nem mais de um nem menos de outro, dosado pelas mãos do homem. O pedreiro ou obreiro deve fazer tudo na dose exata para ligar as obras, ou trabalho o que agrega que junta e que une os irmãos.

 

 

 

 

A.R.L.S. Washington Luis I 2694 – Or.’. Batatais - SP

M.’. M.’. José Roberto Pereira

25.08.2016 e.’. v.’.

Publicada em 12/09/2016.

Veja também:


Posse de diretorias 2015/2016

Diretorias da região de Batatais
Ler mais »

A Origem do numero de dias dos meses

Nos últimos tempos da sua monarquia, por volta do século VI a.C., os romanos adotaram um calendário baseado nas mudanças de fase da Lua, com 355 dias distribuídos em 12 meses. O ano começava em março e terminava em janeiro, sendo que os meses...
Ler mais »

O Rito

O RITO RITO vem da palavra latina ritus, que era utilizada para designar a idéia de formalismo ou de algo convencional. As práticas antigas eram promovidas nesses atos formais ou convencionais, para que ficassem gravadas na imaginação.
Ler mais »

Mais Notícias: 1 2 3 4 5 6 7



« Anterior